Publicado por: mirnacavalcanti | 18 de fevereiro de 2015

Galileu, nós e o futuro


galileu-galilei

 

 

 

INTRODUÇÃO

Há anos, ao aprender, ainda na escola, sobre GALILEU GALILEI, um dos maiores gênios que a humanidade conheceu, não conseguira então, com meus 12 anos,  entender a razão pela qual, mesmo sendo respeitado por seus amplos  e incomuns conhecimentos  e,  ainda professor de matemática na Universidade de Pádua  (a mais antiga da Itália – 1222- onde lecionou de 1592 a 1610), ele caíra posteriormente em ‘desgraça’ ante a Igreja de Roma.

Cabe lembrar que, movido por sua curiosidade e ânsia de compreender o que via ao perscrutar os céus, e sabedor de que  um holandês havia inventado um objeto que ‘aproximava’ os corpos celestes dos olhos,  aperfeiçoou o mesmo e passou a admirar-se mais e mais com que via, tendo sido ele o primeiro a constatar a existência das crateras lunares. Graças ao ‘telescópio’, descobriu também planetas, suas luas e, quanto ao Sol, provou que este girava sobre  um eixo. A partir de então, veio a defender abertamente Nicolau Copérnico  e sua teoria: o Sol, e não a Terra, (consoante então imaginavam) era o centro do nosso Sistema Solar.  No entanto, seus coevos não tinham alcance para entender a amplitude e profundidade de sua inteligência, que se projetava  pujantemente em seu trabalho.

A Igreja Católica, inclusive, tinha visão oposta à sua e proibiu-lhe de divulgar suas ideias. Galileu naturalmente rebelou-se e publicou o famoso “Diálogo sobre os Dois Maiores Sistemas do Universo”. Passou desde então a ser abertamente perseguido pela ‘Santa’ Inquisição e a Igreja, irada por ter sido desafiada,  condenou-o  à prisão domiciliar.  Nesse seu ‘retiro forçado’ na Toscana, perto de Florença (onde nasceu e vicejou o Renascimento), seu riquíssimo mundo interior e sua vontade de mais saber, levou-o a investigar os céus até  sua morte, em 1642.

A Igreja que tanto o perseguira, somente em 1992, passados mais de 350 de sua morte   e graças  ao papa  João Paulo II, passou não só a considerar, como reconhecer formalmente suas teorias todas, inclusive a de que “ o Sol, e não a terra, era o centro do nosso Sistema Solar“…

GALILEU e a atualidade

GALILEU e pessoas assim ‘diferentes‘ (sem que sejam ‘gênios‘ como ele o foi), dificilmente são ‘aceitas‘ por seus contemporâneos: ‘assustam’…

A sociedade  desde sempre – e a história nos mostra – tem dificuldade em aceitar o que não entende e tenta fazer com que os demais descreiam das afirmações dos assim ‘diferentes’, dos que têm luz própria, dos que não ‘são parte do rebanho’, dos que não permitem sejam tangidos, dos que buscam caminhos outros, pois sabem existir, dos que não se conformam com a resposta comum: “sempre foi assim“…  Para o homem médio (medíocre)  pensamentos e agires têm que ser ‘estratificados’, moldados consoante aos da maioria – o que nem sempre correspondem à realidade (que não têm ‘como’ discernir). Isso leva ao engessamento do crescimento em todos os sentidos.

Portanto, o pensamento da postagem revela que Galileu bem sabia sobre o que escrevia , pois vivenciara, durante grande parte de sua vida as perseguições de seus pares (por sentimentos mesquinhos destes) e da Igreja, pois suas descobertas iam ‘de encontro’ ao que ela  ensinava então como CERTO e, pois, não admitia contestação qualquer que fosse, por motivos que lhe poderiam tirar parte do poder de ‘guia’, orientadora, mestra…

Transportando para a atualidade

Sendo 99.9% de nós, pessoas ‘comuns‘, há de ver-se o quão difícil é ‘entender os símbolos’… Triste realidade – pois em NADA de positivo avançamos – ao contrário: quanto mais a ciência ‘progride‘, o ser humano’, como tal, ‘regride‘…  e tanto isto é verdade, que as notícias todas que nos chegam, são as mais negativas possíveis. Revelam o aviltamento progressivo das criaturas em todas as esferas da ‘sociedade‘.

Que este despretensioso e pequeno ensaio  possa fazer com que pensem na importância de sua essência no contexto do momento em que vivemos e no que pretendemos ocorra. Há que aprofundarmo-nos com todas as forças em ações positivas.

Esquecermo-nos do ‘eu‘, para usar o ‘nós‘: COESÃO em busca do melhor para todos – não só no Brasil, como no orbe e, mesmo ‘universalizar’ no mais amplo e elevado sentido possível. 

Saúde, luz e paz!

Mirna Cavalcanti

PS –  Este é apenas um mero esboço de algo que se me assemelha provavelmente grandioso e está em estado embrionário em minha mente, crescendo e enriquecendo com o perpassar do tempo.

 

http://www.cientecno.com/site/2010/01/13/2009-os-quatro-seculos-da-ciencia-moderna

Anúncios

Responses

  1. Ótimo ensaio

    • Obrigada, querido ‘cacique’… É o início tosco ainda, mas a idéia fundamental é esta q tem que ser burilada – e muito… Abçs!


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: