Publicado por: mirnacavalcanti | 31 de dezembro de 2011

O ano de 2011 e este ano de 2012


                                                          

Não é a aparência, nem a 'raça' , nem a inteligência, muito menos o que possuímos ou não, o que faz com que sejamos notados, mas a forma como agimos e  vivemos.

Não é a aparência, nem a 'raça' , tampouco a inteligência - ou a falta dela, muito menos o que possuímos ou não, o que faz com que sejamos respeitados. O que realmente faz a diferença positiva é a forma como agimos e vivemos.

“Que diremos, pois, à vista destas coisas? Se Deus é por nós, quem será contra nós?” Romanos 8:31

 

BUENAS, amigos leitores!

Mais um ano se passou e outro está para chegar.

Fiz uma retrospectiva das experiências acumuladas e cheguei à conclusão óbvia de que continuo a mesma.

Não importa qual a idade (cronológica) que tenhamos, a essência do ser não muda. Mesmo assim, sigo confiando em meus semelhantes – para, em alguns casos, depois constatar que não somos tão semelhantes assimie – grande número dos mesmos, são pessoas mínimas, arraigadas a bens materiais, de caráter se não mau, ‘flutuante’ – ou seja: mudam-no consoante as perspectivas positivas para si mesmas, não se importando se, para alcançar seus objetivos, venham a prejudicar os demais.

Abro aqui um parêntese, por necessário: educação, instrução, meio…  influem na formação do caráter, mas o buril da história demonstra ser inegável que o homem já o traz em si ao nascer, pois pertence ao espírito: não se o ‘aprende’ nem se o ‘adquire’. O ambiente e os padrões educacionais influem, mas o caráter será o diferencial na tomada de decisões: demonstra-se via  ‘livre arbítrio’ .                                                                                      

O caráter de alguns, é como uma gema preciosa em estado bruto e pode e deve ser lapidado no transcorrer da vida e de diversas formas, dependo do tipo da pedra. Aprende-se com os erros, com as quedas e, com determinação e perseverança   crescemos verticalmente como seres. Somos- em síntese- resultado de nossa própria construção – seja positiva, seja negativamente considerada. Fecho o parêntese e sigo…

Muito tenho escrito, principalmente nesses últimos dez anos: artigos a respeito de diversos assuntos, contos vários, poesias, etc. Minha obra objetiva o ser humano, suas características todas e os meios para seu aperfeiçoamento, sempre sob a ótica dos Mestres Maiores.

Alcanço grande número de pessoas, com elas interajo, dividimos experiências, pensamentos, sentimentos… Ensino e aprendo. Todavia, vezes há que penso estar perdendo tempo em escrever, pois alguns dos leitores, aos quais envio meus artigos, fingem não entender a mensagem…   Sempre o benefício da dúvida: ”podem mesmo não ter captado o sentido por se encontrarem em nível espiritual diferente, bastante afastados do meu na escala evolutiva ” .

Sabedora de que não poderei mudá-los (pois o homem já traz seu caráter ao nascer), lembro-me das palavras do genial SHAKESPEARE:

Aprende que não importa o quanto tu te importes, algumas pessoas simplesmente não se importam…”

Animo-me novamente pois,  se à época do Bardo de Stratford-upon-Avon,  já havia  ‘gente que não se importava’, imagine-se agora, onde o egoísmo, a ganância, a maldade e a ignorância imperam.

EU ME IMPORTO !

Seguirei usando meu lapidador, enfrentarei sempre com dignidade,  verdade, as palavras e as leis os que agem contra os Princípios e Valores que tenho defendido toda a vida. Nada nem a ninguém temo – muito menos os mentirosos e covardes – sejam quem forem. Vivo em harmonia com minha consciência(que é juíza determinada e inflexível)  e sob a proteção de Deus.

Minha alegria vem do fato de saber que ‘há muita gente que se importa’ – e é para estas que escrevo: os meus sensíveis e inteligentes leitores: os que ‘fazem a diferença positiva’, os que ‘SÃO ‘ e não os que julgam o “TER“, galardão máximo.

Escrevo para gente de todas a idades, para dar alento aos que necessitam, para levar esperança aos que sentem tê-la perdido… Escrevo para os que são o futuro deste país, escrevo para os que se harmonizam com o meu ser. Escrevo para os que fazem parte da Orquestra da Humanidade, regida pelo MAESTRO MAIOR.

Informo-lhes por final: este ano de 2012, terei um livro publicado por editora de renome no mercado: crônicas nas quais alguns de meus conhecidos e amigos serão personagens principais. Aguardem! Mas não temam os que têm agido mal!(*) Não lhes colocarei os nomes, pois não será às minhas custas que obterão notoriedade.

 

FELIZ ANO NOVO PARA TODOS!

SAÚDE, PAZ, CRESCIMENTO INTERIOR!

 

Mirna Cavalcanti de Albuquerque

Rio de Janeiro, 31 de Dezembro de 2011

(*) A wise man gets more use from his enemies than a fool from his friends. – Baltasar Gracian

 

 

 

 

Anúncios

Responses

  1. Mirna, como sempre tocando os corações dos mais sensiveis e abertos a apre4ndizagem.
    Parabéns mais uma vez.
    Desejo para voc~e todos os seus um Feliz 2012!
    Abçs sinceros.
    Maria Clark

    • QUERIDÍSSIMA MARIA!

      Nesta vida, somos todos aprendizes. Felizes os que assim se consideram. Ensinamos umas coisas, aprendemos outras – e neste ‘compartilhamento de seres’ , vamos caminhando.

      Vocês – tu, querida, têm me incentivado muito com os comentários todos tecidos: são palavras de carinho e força e fé…

      De nada adiantaria escrever se não soubesse que meus textos não seriam lidos.

      Às vezes, tenho que, a bem da verdade, ser incisiva. Só escrevo – e é sabido – o que sinto e penso . Não tento agradar, muito menos ‘bajular’ .

      Será mais uma ano de lutas por direitos desrespeitados . Sigamos juntas, amiga!

      Desejo-te muita saúde, paz e alegria.
      Deus esteja contigo agora e sempre!

      FELIZ ANO NOVO, MINHA AMIGA!!!

      Beijos,
      Mirna C.

  2. Você chegou à minha TL despretensiosamente. Com ares de menina inteligente e uns olhos de arrebatar. Seus textos me prenderam a atenção e tornei-me um admirador. Hoje quero ser amigo de verdade. Sintonizamos na mesma órbita. Sucesso a você na vida pessoal e literária. Nossa geração não é uma geração alienada, como muitos quiseram rotular. Estamos atentos! Abraço do amigo

    André Goulart (@joegullar)

    • ANDRÉ GOULART!

      Estou muito feliz com teu pronunciamento. Também eu busco pessoas com as quais possa dividir meus pensamentos. A amizade é um lindo e duradouro sentimento. Só pessoas realmente assemelhadas podem ser amigas.

      Creio na probabilidade – e alta – de sermos realmente amigos. A idade cronológica não importa em coisa alguma.Contam as idades mentais ‘e de alma’. Pensamentos e sentimentos se harmonizando para o bem de todos, onde o egoísmo e a maldade – enfim: os sentimentos menores não têm vez.

      André: de coração: que neste ano entrante, estejas na busca do que queres e possas ser feliz ao fazeres os demais felizes!

      Fraternal abraço,

      Mirna C.

      FELIZ ANO NOVO!!!

  3. O dia em que aparecer sangue azul poderemos começar a discutir diferenças entre raças…

    • DIREITO do POVO!

      NÂO há diferenças! O sangue de todos é vermelho 🙂

      As ‘diferenças são as da alma, caráter e ações.

      Convido-te a fazer parte de um grupo que tem como objetivo fazer uma ‘FAXINA’ MEEEEEEESMO no que tange aos maus advogados.

      Fico ainda espantada de ver a quantidade de colegas que agem mal com seus clientes em todos os aspectos.

      “Advogar”, defender direitos, buscar seja a JUSTIÇA distribuída realmente -e, para mim, MISSÂO.

      Seguirei escrevendo artigos sobre este assunto.

      Abraço fraternal,

      Mirna C.

      Que 2012 seja um ano profíquo e atinjamos objetivos que parecem inatingéveis!!!

  4. Sinto-me lisonjeado com tão belos comentários. Encerrar um ciclo é sempre uma surpresa, pois os mais atentos, os que se dedicam ao bem fazer, destacado na mensagem, seguem sendo brindados com novas amizades, novos saberes, isso é desenvolvimento…

    Gostaria de ressaltar as sábias palavras insertas na mensagem, que mencionam a essência humana dos bons. Ouso cotejá-las com a abordagem de Jean-Jacques Rosseau. Todos são bons por natureza, mas estão submetidos à influência nefasta e corruptora da sociedade.

    Acredito que os que se tornam maus estão menos equipados com mecanismos de defesa, que lhes permitam resistir à inversão de valores que ora é imposta pela sociedade. Ter um núcleo familiar consistente, acesso à cultura, entre outros equipamentos, garantem ao ser a blindagem necessária. Os maus são vítimas, na medida em que matam sua essência. E como não alcançam o valor do “SER”, ficam satisfeitos com um modesto e vazio “TER”. O “TER” jamais preencherá a lacuna do “SER”.

    Obrigado Sra. Mirna, por me fazer acreditar que ainda existem BONS que não se calam diante das atrocidades do MAUS.

    Infelizmente somos poucos, mas juntos somos fortes! É regozijante!!

    Desejo à mantenedora deste blog e aos leitores um ano de luz, paz interior e muita sabedoria!

    • ANDRÉ AZEVEDO,

      tuas palavras são consistentes, verdadeiras, fortes.

      Em que pese todo o positivo, desculpa-me por discordar apenas da asserção: “os maus são ‘vítimas’, na medida em que matam sua essência”.
      Com todo o respeito pelo teu pensar, expresso o meu – que é harmonizado ao inserto no texto. Sei que é ousadia – ‘abuso’ mesmo afirmar: “também discordo de ROUSSEAU”. Sendo ele um dos maiores pensadores de todos os tempos, como eu, um simples ser, dele discordar?
      Para escrever realmente o motivo, certamente teria que escrever um livro – ou uma coletânea dos mesmos. Lamento ser carecedora de conhecimento da matéria para tal… Em síntese:
      Tentarei explicar: segundo JJousseau ‘o homem nasce bom e a sociedade o corrompe’ – é um razonamento em círculos. Ora, a sociedade é composta por homens e estes, pela ganância e outras tantas ‘razões’ se deixam levar… Lembro-me de :”quem nasceu primeiro: a galinha ou o ovo”?

      Creio firmemente: quem é bom, não se torna mau, não ‘sucumbe’ aos acenos dos corruptores, não se torna corrupto.
      Daí eu ter escrito este artigo- para mim sob um enfoque novo: a criatura já nasce com o caráter bom ou não. Imagino se possa usar como metáfora as sementes. Nem todas são iguais – mesmo sendo da mesma espécie. Umas são saudáveis, fortes… outras, débeis; umas boas para a semeadura, outras, será infrutífero semeá-las…

      De qualquer forma, desculpa-me uma vez mais por ter discordado. Temos todos o direito de expor nossos pensamentos, nossas opiniões – e tu com muita lucidez e objetividade expuseste os teus.
      Agradeço-te pelo enriquecimento do artigo com teu comentário.

      Sê sempre bem vindo, amigo.
      Sim, lamento sermos ‘poucos’ … mas como bem escreveste: ” juntos somos fortes”!

      Unamo-nos todos para o bem, ANDRÉ. Há muito a ser feito!

      Que 2012 seja portador de boas novas!

      Fraternal abraço,

      Mirna C.

      • Prezada amiga (permita-me chamá-la assim),

        Não há o que perdoar. Sua abordagem é perfeita! Quando citei as ideias de Rosseau o meu objetivo era alimentar o debate. A argumentação é a minha forma favorita de texto. É na apresentação dos argumentos que influenciamos um ao outro. E isso nos faz crescer. Pela teria desse fantástico pensador suíço, que influenciou até mesmo a Revolução Francesa, nenhum homem seria casto, ou bom, pois todos estariam corrompidos pelo contato com a sociedade, que somos nós. De fato é cíclica e apocalíptica a abordagem. Não alcança plenamente esse complexo maravilhoso que é a sociedade.

        Há um detalhe interessante na sua abordagem. Os bons não sucumbem aos acenos dos corruptos, ou seja, existem ainda os que parecem bons, pois, se cederam, em verdade, na essência, sempre foram maus. Essa linha de raciocínio, reconheço, está mais alinhada com a polarização existente no meio social.

        Obrigado por me permitir argumentar.

        André Azevedo

  5. ANRÉ,

    Bom dia!

    Escreveste:

    “Os bons não sucumbem aos acenos dos corruptos, ou seja, existem ainda os que parecem bons, pois, se cederam, em verdade, na essência, sempre foram maus. Essa linha de raciocínio, reconheço, está mais alinhada com a polarização existente no meio social”.

    Realmente, André: ‘os bons são bons e não cedem de forma alguma aos acenos dos maus’. Se o fizerem, valem tanto quanto os corruptores; são tão corruptos – ou mais do que eles.
    Meu pai costumava dizer-me que “um lirio mantem-se puro, imaculado, mesmo tendo nascido em meio ao lodo” . Já tive oportunidades várias de constatar isso na realidade.
    Literalmente, consoante o ensinamento paterno, a teoria daquele grande pensador vai literalmente ‘para o brejo’

    Não estamos no entanto, no campo das teorias, das lucubrações filosóficas, mas no da objetiva realidade na sua nudez e crueza.
    Em tudo à nossa volta , com raríssimas e nobre exceções, vemos a pequenez humana a tentar todo o instante suplantar e soterrar os justos. Estes ‘incomodam’, ‘atrapalham‘, irradiam luz onde há escuridão e seguem a semear BONDADE e a compartilhar o que sabem, buscaqndo sempre JUSTIÇA e não se amedrontando com nada nem por quem quer que seja. Só pelo fato de existirem são ‘perigosos’ para as almas pequenas.

    Sabes? Fui ‘inspirada’ pelo que escreveste e penso escrever um pequeno artigo sobre este assunto…

    Um excelente fim de semana para ti!

    Fraternal abraço,

    Mirna.

  6. […] (*)https://mirnacavalcanti.wordpress.com/2011/12/31/o-ano-de-2011-e-este-ano-de-2012/ […]


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: