Publicado por: mirnacavalcanti | 1 de abril de 2009

Day by day … “Who I am…”


“There’s no need of legends… Just see with ” the eyes of the soul…” which connect all the human beings when in the same ‘latitude‘…”

“Não há necessidade de legenda. Vejam com os ‘olhos da alma’ – que nos conectam como seres humanos, quando na mesma ‘latitude’.”

                                                                          

” We all should live day by day , thanking God for each and every day that we are to  do simple things as wakeup, open the eys – and see, talk, walk… things that we usually consider ‘normal‘ , many of our fellowmen aren’t able to do. Nothing should be taken for granted all is a Miracle of Life!”

“Devemos viver tods os dias agradecendo a Deus por cada um deles, nos quais podemos abrir os olhos e ver… falar, caminhar… todas essas coisas que achamos ‘normais‘ – mas que muitos de nossos irmãos não têm ao seu alcance são, na v erdade,  Milagres da Vida!” 



“The Decision: Who I am: uncondicional love, transcendental soul”
 My godmother and great-aunt, Beatriz Josefa Sobreira and I(photo below this one), when I was four years old, in Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brazil.  She was the person who loved me most in this world and one of ‘my mothers’.   Since I was born, she dedicated her life to make me happy, with an immense, uncondicional love. She raised me … she and my mother Elza raised me  as a creature and child of God. The same love she dedicated me she devoted to my three kids… helping me raising them, with the same love and dedication.  
                                             

Long ago, in my ‘teens’, on a certain day, that I thought would be like all the other days,  after my  daily meditations about life, I felt the time had arrived… and made the decision I consider the most important to me…I thought that if I would succeed in life, I certainly could be able to help my fellow men… Then I decided  to triumph.

I had already found out  that my human condition and way of life, was keeping me from facing  life as I could and should do … I had imposed  certain limitations on myself.  So, to achieve my goal,  this problem should be solved in order to ‘free’ myself from them.

The  high walls that I had built around me should be destroyed. So I did.  It wasn’t easy at all, but I did.

I decided not  to wait for  opportunities, but pick them up wherever they could be found.

I decided that every problem that possibly would arise, should be received by me, only as an unique way to solve it appropriately and grow as a better human being.

I decided to see the deserts as being opportunities to transform them into flowery, fresh oasis.

I decided that every night I should admire the stars twinkling in the deep blue sky… to watch the black clouds with their rich beauty… I felt them like mysteries  that led me to  meditate about the greatness of the Creator…  It’s a paramount to try to feel happy ‘no matter what’… After all,  God Himself  gave to my soul, sensitivity … and these thoughts that make me feel  part of His own Wholeness… in the immense existing universes…

I decided that each dawning of a new day would ALWAYS be a magic opportunity to live and be happy and try to make happy not only those around me, but all the creatures  that I might meet – in  every possible senses… I shoul try to reach their souls through the path of love, with my deeds , with my writings, with my words, with my music.

I decided to stop thinking about being the best in everything I do, but knowing better what and how to do what I should. I realized that I was not the best and that might never be, but I certainly decided that I would be the best that could be.

I no longer cared who would ‘win’  ‘ or who would ‘lose’. What was of utmost importance to me  was  being aware I was doing all my best  – even if through very hard efforts – to succeed in whatever I decided to do.

Moreover, I have learned that it is not that difficult to achieve success. The hardest thing is when, after struggling towards it, it does not occur. So,  should I force myself to try to achieve further excellence of my proceedings, as other people’s lives might  someway depend on me.

I learned that there is no greater triumph than to help others with true humility, solidarity, understanding  and love and never look for recognition or gratitude for our deeds (they might never happen- mankind is usually ungrateful).

I realized I had chosen a career in which I would probably shine  very much, but I preferred to stand with the less fortunate and help them with my knowledge… never letting them know, it was me who was trying-  with all my faith and strength – to  improve their lives in this so little world of ours.

On that memorable day, I stopped being a reflection of someone who had wan some victories… I pursued  the true light of this life and the future ones….

I  soon understood  that it would not be important if only I could see and walk towards  Light.  I should also illuminate the path fort all those I met in my journey. As hard as it was such a ‘contract‘ (and I’ve seen it really is) I should never give up. And so it has been…

It was really “the” decision of my life, as a whole structure and projects had to be changed and  since then have been permeating my days.

I have no regrets. On the contrary, I am thankfull  to our Celestial Father for having enlightened me.

That was the day  I realized: dreams are the raw material of reality. 

Once  they are songs of the stars, and blessed by the Heavens…. Once they are written in golden letters in the pages of the Book of Destiny… then, all my dreams can become  into tangible reality.

 

Since that sunny beautiful  Autumn  day – which I will  never forget. the colors of  Nature were showing  all their splendor to my eyes and nurtured my soul… Since then, year after year , tender, yet strong hope has been always resprouting growing stronger and stronger  on the branches of “Tree of my life.” 

Some fruits have been falling… but new buttons reappear soon after.  All  of them have been growing,  incessantly flowering and certainly have been turning into  the sweetest fruits that I share with love as I follow the path, which h  I have already walked more than half way… 

Mirna Cavalcanti de Albuquerque,                                                                                                      Rio de Janeiro, May 18th, 2012


“A Decisão” : Quem sou: amor incondicional, em alma transcendental”
“The Decision: Who I am: uncondicional love, transcendental soul”

Minha madrinha e tia avó, Beatriz Josefa sobreira e eu, quando estava com quatro anos de idade, na cidade de Porto Alegre, RS. Foi a pessoa que mais me amou neste mundo e uma das ‘minhas mães‘. Viveu para mim, ajudou-me a criar meus filhos e tudo com um amor imenso, incondicional. ‘Doou-se’ a mim e a eles. A ela devo grande parte de quem sou como criatura e Filha de Deus.


 


Há muito tempo, ainda na adolescência, em um certo dia, que me parecia seria como todos os demais, após diuturnas meditação sobre minha vida, decidi que era chegada a hora de tomar a decisão que considero a mais importante para mim, pois se obtivesse sucesso, certamente poderia – e muito – vir a ajudar meus semelhantes: decidi TRIUNFAR.

Havia já constatado que minha humana condição e forma de viver, impediam-me de enfrentar a vida como poderia e deveria fazê-lo. Tinha, até então, imposto a mim mesma certas limitações. Assim, para chegar ao meu objetivo, este problema teria que ser resolvido. As muralhas que havia construído à minha volta deveriam ser destruídas. Assim fiz. Não sem dificuldades, mas fiz.

Decidi não mais aguardar por oportunidadesmas buscá-las onde quer que se encontrassem. Decidi que cada problema que surgisse, seria desde então encarado por mim apenas como uma forma de encontrar para o mesmo a solução adequada.

Decidi ver os desertos como sendo probabilidades de transformá-los sempre em oásis.

Decidi que todas as noites, ao admirar as estrelas cintilarem no profundo azul do céu, ou a observar as negras nuvens que lhe toldavam a beleza, seriam os mistérios que me fariam meditar na grandiosidade do Criador e o quão feliz eu sempre me sentiria por ter sido por Ele capacitada a ter estes pensamentos: encontrar-me no Todo, ser parte desse incomensurável Universo.

Decidi que cada raiar de um novo dia seria SEMPRE oportunidade única para viver e ser feliz, bem como tentar fazer felizes não só os que me rodeiam,  mas a todas as criaturas que, de uma ou outra forma, eu poderia vir a alcançar, seja fisicamente, seja por meus atos, seja por meus escritos.

Decidi deixar de pensar em ser a melhor em tudo que faço, mas saber melhor o que fazer. Reconheci que não era a melhor e que talvez jamais viesse a ser, mas decidi que eu seria a melhor que pudesse ser.

Não mais me importei com quem ’ganhasse’ ou quem viesse a ’perder’. Importava-me – isto sim – em ter consciência de haver-me esforçado ao máximo para obter êxito no quer que fosse que me houvesse predisposto a fazer.

Por outro lado, aprendi que não é difícil obter-se êxito. O mais difícil é quando tal não ocorre. Então eu deveria esforçar-me mais ainda para tentar alcançar a excelência de meus feitos, vez que deles dependeriam talvez vidas de meus semelhantes.

Aprendi que triunfo maior não há do que poder ajudar os demais com humildade e jamais esperar reconhecimento ou gratidão pelo que fizesse.

Compreendi que havia escolhido uma carreira na qual poderia brilhar muito, mas preferi ficar ao lado dos menos afortunados e ajudar-lhes com meu conhecimento, sem que eles jamais viessem a saber que era eu que estava tentando com todas as minhas forças melhorar a forma como viviam.

Naquele inesquecível dia, deixei de ser o reflexo de alguns triunfos que obtivera, para tornar-me a verdadeira luz do presente  a projetar-se sempre no futuro seguinte.

Compreendi – e tão cedo- de que nada serviria tornar-me luz se não pudesse também iluminar o Caminho de todos quantos eu encontrasse em meu caminhar. Por mais difícil que fosse tal ’empreitada’ (e tenho visto que é), jamais deveria desistir.

Foi realmente “a” decisão de minha vida, pois modificou toda uma estrutura e projetos que até então permeavam meus dias. Não me arrependo.  Ao contrário: rendo Graças ao Deus de Todos nós, por haver-me iluminado o pensamento.

Naquele dia percebi que os sonhos são a matéria-prima da realidade. Se eu realmente me esforçasse e se estivesse escrito em meu destino que eu poderia, em sonhando, transformá-los em palpável realidade, tal ocorreria…

A partir daquele dia de outono que jamais poderei esquecer, tenros, mas fortes rebrotos sempre têm nascido na “Árvore de minha Vida“. Mesmo tendo alguns frutos caído, novos botões renascem logo a seguir. Todos  têm crescido, florido e se transformado em dulcíssimos frutos que distribuo com amor enquanto percorro Meu Caminho.

Mirna Cavalcanti de Albuquerque.                                                                                              Rio de Janeiro, 17 de Maio de 2012.

PS – Friends from all the world: Till tomorrow  I’ll post the English version.  

Anúncios

Responses

  1. Enquanto podemos ver,andar e falar havemos de termos forças para lutar e tambem apreciar as belezas da vida!

    Mensagem enviada hoje 29/04/2010 ao senador Paulo Paim!

    Olá senador! SENADOR PAULO PAIM: É CHEGADA A HORA DE V.EXCIA DAR UM PULINHO NA CÂMARA DOS DEPUTADOS NA TERÇA FEIRA, E PROVAR QUE A PREVIDENCIA É SUPERAVITÁRIA, PARA ACABAR DE UMA VEZ POR TODAS ESTA EMBROMAÇÃO!. SUA OPORTUNIDADE DE PROVAR QUE REALMETE ESTÁ DO LADO DOS APOSENTADOS ROUBADOS, SERÁ NA TERÇA-FEIRA.SENADOR; POR FAVOR VÁ ATÉ A CÂMARA DOS DEPUTADOS,PEÇA A PALAVRA,E ACABE COM A EMBROMAÇÃO.PEÇA DESTA VEZ QUE WARLEY O ACOMPANHE SENADOR! É O MOMENTO PARA QUE ESTE SR TAMBEM PROVE QUE É LIDER DOS APOSENTADOS!. COM A PALAVRA A COBAP E SENADOR PAULO PAIM.OBS:SENADOR;NÃO DEIXE QUE VACAREZZA ACHINCALHE SEUS PROJETOS DESTA VEZ, SE POR ACASO COMPARECER NA CÂMARA TERÇA- FEIRA.APROVEITE E FAÇA COM QUE VOTEM SEUS PROJETOS E A DERRUBADA DO VETO AOS 16,67%. SENADOR:PORQUE TAMANHA SUBMISSÃO AO GOVERNO DO PT?. V.EXCIA É UM SENADOR DA REPÚBLICA! Anderley, indignado com as pessoas que estão permitindo o extermínio dos aposentados idosos!.Que tenha boa sorte.

    • isso mesmo, VETERANO! Temos que cobrar dos ‘representantes do povo’ e o momento AGORA!

      Boa noite! Fraterno abrao,

      Mirna Cavalcanti

  2. OLHEM PARA O VOSSO MUNDO
    Homens, olhem para vosso mundo. O que estão fazendo deste planeta senão um celeiro de iniquidades onde a maldade, a dor e o sofrimento campeiam por todos os lados? Não percebeis que estais apenas erguendo muralhas ao teu derredor, onde vossos espíritos se agitarão em agonia no futuro?
    Onde o amor a Deus?! Na moeda e nas riquezas que a exploração de seu nome pode proporcionar? Pobres criaturas que perambulam pelas avenidas da vida sem rumo certo, envolvidos pelas sombras da insensatez.
    Vossas mentes se transtornaram pela luxúria, pelo prazer desvairado e alucinado, pelas facilidades e imediatismos que homens mundanos e espíritos inferiores nutriram em vossas almas.
    A cada um segundo suas obras e eis que a miséria, a fome, o crime, vos assaltam os lares, construídos tantas vezes sob alicerces frágeis de ilusões e fantasias.
    Julgais então que o que vês é tudo? Oh não, a colheita está apenas começando. Todo o mal que plantaste durante décadas está agora sendo colhido por vós mesmos. São os frutos apodrecidos da má semeadura.
    Vossa juventude se perdeu, escravizou-se junto ás drogas, vossas crianças crescem desorientadas, carentes de exemplos edificantes. Vossos idosos jazem nas cátedras do esquecimento acreditando-se realmente inúteis para a sociedade devido aos vossos pensamentos hipnotizantes, mesquinhos e egoístas.
    Até quando a venda cobrirá vossos olhos? Acreditais então que permanecendo com ela Deus vos julgará inocente e vos isentará das consequências de Ter permanecido tanto tempo na escuridão quando a luz do Evangelho te alcançava as vistas e convidava-te a viver sob as claridades do Teu amor? Não podeis mais fingir-vos crianças inocentes e ingênuas. Sereis inevitavelmente descobertos e desmascarados, acreditem nisso.
    Ninguém está isento de sofrer pela própria rebeldia. Somente os mais incautos depositam confiança neste tipo de pensamento e mesmo para esses chegará o momento propício do despertar, através das sacudidas da dor. Invigilância é sinônimo de possíveis perdas e sofrimentos. Atentem mais do que nunca para a advertência do Cristo que lhes solicitou orar e vigiar para que não venham a sucumbir no minuto seguinte.
    As vozes dos seres que atravessaram os portais da morte vêm falar-vos aos corações e preveni-los.
    Os campos estão repletos de ervas daninhas e a foice da justiça divina já está preparada para lança-las ao fogo.
    Que vejam os que tiveram olhos de ver e ouçam os que tiverem ouvidos de ouvir.
    Espírito Luís. 1864

    • Sérgio,
      agradeço-te as palavras que poderão ser lidas pelos demais. Cada um teem a sua crença. Eu respeito a todas. Mesmo não sendo este espaço para escrevever sobre fé, eu aceito com carinho o que escreveste, pois quem tiver fé – não importando a religião, muito desses ensinamentos poderá aproveitar.
      Sim! Há ervas daninhas a crescer por demais – e como tais ervas se esparramam e destróem as plantas boas, há que fortalecermos mais as plantas boas, para essas exterminarem as daninhas, ou impedí-las de crescer e lançaremm suas semementes.
      Meu trabalho, amigo Sérgio, é nesse sentido. Há muito tempo mesmo sigo o Caminho da Luz. Como ser humano, tenho crescido.Tenho errado e caído. E me levantado cada vez mais fortalecida. A respeito, transcrevo uma de minhas poesias. Refletem mtodas, minha realidade.

      Um fraternal abraço,
      Mirna Cavalcanti

      Lanço Sementes pelo Caminho
      publicado em 30/07/2009330 visitasmirna_cavalcanti_de_albuquerque
      Rio de Janeiro (RJ)
      Membro desde 05/2008

      A poesia é bucólica, descritiva e traça um paralelismo entre a vida, a alma e a Passagem.Tem supedâneo espiritualista.

      Como é insólita a vida!
      É transitória e fugaz a aparente solidez humana!

      Caminho tranqüila pelos campos.
      Há flores sob meus pés.
      Tento não machucá-las.
      Brotaram e floriram,
      alegremente variegadas…

      A perder de vista,
      ondulam em cores de arco-íris
      na suave aragem da manhã.
      Vou devagar.
      Quero apreciar a natureza
      à minha volta
      em toda a serena beleza
      que ostenta em sua manhã outonal.

      Já se faz longa a caminhada,
      mas cansaço algum sinto,
      tal é a magia arrebatadora
      que a cada olhar me encanta.

      A cada volta do caminho
      vejo pássaros voltando ao ninho
      para alimentar seus pequeninos.

      A cada volta do caminho,
      penso em possibilidades de surpresas,
      presentes da Mãe Natureza,
      para todos os seres
      que com ela comungam.

      Borboletas de todas as cores
      voam de flor em flor,
      desconhecendo sua
      tão breve existência.

      A relva macia amortece-me os passos,
      que seguem o ritmo da brisa
      às vezes compassado,
      contra-ponto nada ritmado,
      pois se belo o local,
      os passos mais lentos se tornam,
      para que possa eu sorver calmamente
      o ar com o cheiro ainda de frescor
      do sereno que sobre o verde brilha
      como luminosas gotículas…

      As sombras de árvores frondosas
      refletem-se sobre o verde esmeralda
      do tapete, verde tapete tão verde…
      E seus galhos, tangidos pelo vento,
      assemelham-se a bailarinas a dançar…

      Quantas imagens,
      mensagens inesquecíveis,
      voltam-me à mente…
      e tão subitamente
      que parecem
      sonhos que já sonhei,
      vidas que já vivi,
      amores que já amei…

      Sopra galerno(*) o vento.
      Lembra a mansidão
      de um canto de ninar,
      … mas embala, no entanto,
      meu suave caminhar.

      Pensei… lançarei sementes
      à terra na primavera…
      e este campo, no tempo certo,
      novamente, todo florido estará…

      Colherei rosas
      sem importar-me
      com os espinhos…
      Podem machucar,
      a pele perfurar
      e o sangue
      verter escarlate,
      mas quero das rosas
      sua beleza e olor,
      que a tudo o mais rebate.
      Suas radiosas cores
      fazem-me esquecer da dor.

      Olho o campo multicolorido.
      Diviso à distância uma silhueta
      que me parece familiar…
      no entanto, não lhe vejo o rosto…
      mas está a acenar-me
      e sinto que a sorrir-me…

      Será?
      Terá chegada a hora de
      não mais sementes à esta Terra lançar,
      para lançá-las em
      em outro espaço, em outro lugar?

      A vida toda tenho semeado flores pelo Caminho…
      Se assim for, semearei em Solo ainda Desconhecido,
      mas sempre semearei flores pelo Caminho!

      (*) sereno, calmo, tranqüilo

  3. Reencarnações
    Livro “A Gênese” Cap. XI

    O princípio da reencarnação é uma conseqüência necessária da lei de progresso. Sem a reencarnação, como se explicaria a diferença que existe entre o presente estado social e o dos tempos de barbárie? Se as almas são criadas ao mesmo tempo que os corpos, as que nascem hoje são tão novas, tão primitivas, quanto as que viviam há mil anos; acrescentemos que nenhuma conexão haveria entre elas, nenhuma relação necessária; seriam de todo estranhas umas às outras. Por que, então, as de hoje haviam de ser melhor dotadas por Deus, do que as que as precederam? Por que têm aquelas melhor compreensão? Por que possuem instintos mais apurados, costumes mais brandos? Por que têm a intuição de certas coisas, sem as haverem aprendido? Duvidamos de que alguém saia desses dilemas, a menos admita que Deus cria almas de diversas qualidades, de acordo com os tempos e lugares, proposição inconciliável com a idéia de uma justiça soberana. (Cap. II, n.º 10.)
    Admiti, ao contrário, que as almas de agora já viveram em tempos distantes; que possivelmente foram bárbaras como os séculos em que estiveram no mundo, mas que progrediram; que para cada nova existência trazem o que adquiriram nas existências precedentes; que, por conseguinte, as dos tempos civilizados não são almas criadas mais perfeitas, porém que se aperfeiçoaram por si mesmas com o tempo, e tereis a única explicação plausível da causa do progresso social. (O Livro dos Espíritos, Parte 2ª, caps. IV e V.)
    Pensam alguns que as diferentes existências da alma se efetuam, passando elas de mundo em mundo e não num mesmo orbe, onde cada Espírito viria uma única vez.
    Seria admissível esta doutrina, se todos os habitantes da Terra estivessem no mesmo nível intelectual e moral. Eles então só poderiam progredir indo de um mundo a outro e nenhuma utilidade lhes adviria da encarnação na Terra. Desde que aí se notam a inteligência e a moralidade em todos os graus, desde a selvajaria que beira o animal até a mais adiantada civilização, é evidente que esse mundo constituí um vasto campo de progresso Por que haveria o selvagem de ir procurar alhures o grau de progresso logo acima do em que ele está, quando esse grau se lhe acha ao lado e assim sucessivamente? Por que não teria podido o homem adiantado fazer os seus primeiros estágios senão em mundos inferiores, quando ao seu derredor estão seres análogos aos desses mundos? quando, não só de povo a povo, mas no seio do mesmo povo e da mesma família, há diferentes graus de adiantamento? Se fosse assim, Deus houvera feito coisa inútil, colocando lado a lado a ignorância e o saber, a barbaria e a civilização, o bem e o mal, quando precisamente esse contacto é que faz que os retardatários avancem.
    Não há, pois, necessidade de que os homens mudem de mundo a cada etapa de aperfeiçoamento, como não há de que o estudante mude de colégio para passar de uma classe a outra. Longe de ser isso vantagem para o progresso, ser-lhe-ia um entrave, porquanto o Espírito ficaria privado do exemplo que lhe oferece a observação do que ocorre nos graus mais elevados e da possibilidade de reparar seus erros no mesmo meio e em presença dos a quem ofendeu, possibilidade que é, para ele, o mais poderoso modo de realizar o seu progresso moral. Após curta coabitação, dispersando-se os Espíritos e tornando-se estranhos uns aos outros, romper-se-iam os laços de família, à falta de tempo para se consolidarem.
    Ao inconveniente moral se juntaria um inconveniente material. A natureza dos elementos, as leis orgânicas, as condições de existência variam, de acordo com os mundos; sob esse aspecto, não há dois perfeitamente idênticos. Os tratados de Física, de Química, de Anatomia, de Medicina, de Botânica, etc., para nada serviriam nos outros mundos; entretanto, não fica perdido o que neles se aprende; não só isso desenvolve a inteligência, como também as idéias que se colhem de tais obras auxiliam a aquisição de outras. (Cap. VI, nos 61 e seguintes.) Se apenas uma única vez fizesse o Espírito a sua aparição, freqüentemente brevíssima, num mesmo mundo, em cada imigração ele se acharia em condições inteiramente diversas; operaria de cada vez sobre elementos novos, com força e segundo leis que desconheceria, antes de ter tido tempo de elaborar os elementos conhecidos, de os estudar, de os aplicar. Teria de fazer, de cada vez, um novo aprendizado e essas mudanças contínuas representariam um obstáculo ao progresso. O Espírito, portanto, tem que permanecer no mesmo mundo, até que haja adquirido a soma de conhecimentos e o grau de perfeição que esse mundo comporta.
    Que os Espíritos deixem, por um mundo mais adiantado, aquele do qual nada mais podem auferir, é como deve ser e é. Tal o princípio. Se alguns há que antecipadamente deixam o mundo em que vinham encarnando, é isso devido a causas individuais que Deus pesa em sua sabedoria.
    Tudo na criação tem uma finalidade, sem o que Deus não seria nem prudente, nem sábio. Ora, se a Terra se destinasse a ser uma única etapa do progresso para cada indivíduo, que utilidade haveria, para os Espíritos das crianças que morrem em tenra idade, vir passar aí alguns anos, alguns meses, algumas horas, durante os quais nada podem haurir dele? O mesmo ocorre se pondere com referência aos idiotas e aos cretinos. Uma teoria somente é boa sob a condição de resolver todas as questões a que diz respeito. A questão das mortes prematuras há sido uma pedra de tropeço para todas as doutrinas, exceto para a Doutrina Espírita, que a resolveu de maneira racional e completa.
    Para o progresso daqueles que cumprem na Terra uma missão normal, há vantagem real em volverem ao mesmo meio para aí continuarem o que deixaram inacabado, muitas vezes na mesma família ou em contacto com as mesmas pessoas, a fim de repararem o mal que tenham feito, ou de sofrerem a pena de talião.

  4. Mensagem enviada a Cobap:

    Primeiro:
    Warley:O que vc tem que fazer é:
    Tentar impedir que Michel Temer presida a câmara terça -feira!
    Segundo:
    Mudar a data do assunto “ficha Limpa”. (já puseram tambem para terça-feira, para poderem ter em mãos,meios, de adiarem o assunto aposentado.
    Terceiro: exigir de Paulo Paim, que agora é que é necessário a sua presença na câmara, para defender seus projetos com unhas e dentes ( se é que não é uma farça total)
    Por fim, não aceitar nada que seja abaixo do que estamos querendo por lei e por direito adquirido a muitos anos!
    Warley:Paim;a bola está com vcs.Não se preocupem se não sair os 7%.Nós queremos muito mais por “direito” REPITO QUE NÃO SOMOS “BURROS”

  5. OI Mirna,

    Você, como sempre, está prodigiosa nas palavras e deslumbrante nas fotos!

    Bjs!

  6. Amiga Mirna:

    Endique o caminho jurídico para o Supremo Tribunal Federal,no sentido de abrirmos uma ação coletiva, para que se cumpra dentro da constituição, as recomposições dos direitos dos aposentados “roubados” pelo governo Lula antes das eleições.
    Grato,e parabens pelos seus comentários.

  7. Dra. Mirna Cavalcanti, parabéns pelos seus brilhantes artigos em defesa dos aposentados do RGPS. Sempre faço comentários no Jusbrasil criticando o ex-presidente Lula por suas promessas nunca cumpridas (antes de ser eleito à Presidência da República) de recompor as perdas salariais das aposentadorias, acima de um salário mínimo, e acabar com o Fator Previdenciário.

    O Governo aplicou 6,41% sobre os benefícios acima do piso, prejudicando os aposentados, pois o INPC de 2010 foi de 6,47%. Os aposentados, que ganham acima de um piso, foram roubados em 0,06%. As centrais sindicais, que apenas colocam em pauta a valorização do salário mínimo, sequer disseram algo a respeito do assunto. Lendo notícias do Congresso Nacional (15-02-2011), soube que existem deputados federais pleiteando 7,00% para as aposentadorias acima de um SM. Quanta falta de respeito!

    Um jornal da Capital de São Paulo publicou a seguinte matéria sobre o relatado acima:

    “O ministro da Previdência Social, Garibaldi Alves Filho, vai conversar com a equipe econômica do governo para saber se é possível dar um aumento maior para os aposentados que ganham acima do salário mínimo (hoje, R$ 540).

    Segundo a assessoria da Previdência, a ideia é corrigir o índice de inflação usado para o reajuste dos benefícios, o que resultaria em uma diferença pequena no holerite.

    Os aposentados do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) tiveram um aumento de 6,41 por cento, valor definido com base em uma projeção da inflação. Porém, o INPC fechou 2010 em 6,47 por cento –índice sugerido pelo ministro”.

  8. Oi Miriam bastante bacana seu blog e artigos,me add em seu msn pessoal marcelokertley@hotmail.com se possível,abraços.

  9. No hay necesidad de lenguas porque nos entendemos con los ojos de alma….Gracias

    • HOLA, MAGALY!
      Estoy de acuerdo. ‘Los ojos hablan del alma’ … Pero como sólo podemos ver nuestras fotos, escribo en portugués y en Inglés – con el objectivo de tocar las almas de los demás.

      Gracias por comentar, amiga … y perdóname los errores que cometí en tu idioma.
      Deseo que tengas una buena semana!

      Mirna.

  10. Beautiful! 🙂 Thanks for the inspiration!

    • Hello, LAURA!

      I thank YOU for being so sensitive – once you liked what I wrote. Write whenever you can, dear friend from abroad!

      Tenderly,

      Mirna.

  11. Dra. Mirna, é bom tê-la como uma grande defensora dos aposentados do INSS. A recordação da Mirninha, aos 4 anos de idade, junto à tia e avó, Beatriz Josefa, está linda!

    Se possível, edite esta matéria de minha autoria. É a história de um aposentado do INSS, e um burro, personagem de uma crônica de Machado de Assis.

    Sempre que leio, ou ouço falar em reajuste salarial, lembro-me de uma crônica do imortal escritor Machado de Assis, cujo título é: “Um Caso de Burro”. Ela me recorda, sempre que a releio, de um amigo, aposentado do INSS, internado em um hospital. Era em um hospital público, e não no Sírio Libanês, diga-se de passagem.

    Da última vez que o visitei, os seus ossos furavam-lhe a pele, os olhos, meio mortos, fechavam-se de quando em quando, só permanecendo abertos por mais tempo, quando ele ouvia minhas respostas às suas perguntas sobre o andamento das reposições salariais dos benefícios pagos pelo INSS; voltando os olhos a se fecharem e abrirem de quando em quando, após ouvir os meus relatos.

    Sobre um tosco banquinho de madeira, improvisado por uma enfermeira, ao lado de sua maca, situada em um dos corredores do hospital, pousavam um copo com água, e algumas frutas meio apodrecidas. Trabalhara durante 35 anos para ter, em sua velhice, uma aposentadoria dígna. Enganara-se. Fora ludibriado pelo Governo, logo de início, pela aplicação do Fator Frevidenciário, e com o achatamento, anos após anos, em seu já miserável salário. Aquelas frutas, ali deixadas, foram compradas por um de seus filhos, pois o seu salário mal dava para comprar os remédios contínuos que ele tinha de tomar diariamente contra a sua cardiopatia.

    Os aposentados do RGPS que recebem acima de um salário mínimo, são desprezados por todos. São semelhantes àquele pobre burro da crônica, caído na Praça Quinze de Novembro, no Rio de Janeiro. Machado de Assis, acompanhado de um amigo, ao passarem por ali, narra o seguinte em sua crônica:
    (…)
    “Vimos o burro levantar a cabeça e meio corpo. Os ossos furavam-lhe a pele, os olhos meio mortos fechavam-se de quando em quando. O infeliz cabeceava, mais tão frouxamente que parecia estar próximo do fim. Diante do animal havia algum capim espalhado, e uma lata com água. Logo, não foi abandonado inteiramente; alguma piedade houve no dono ou quem quer que é que o deixou na praça, com essa última refeição à vista. Não foi pequena ação. Se o autor dela é homem que leia crônicas, e acaso ler esta, receba daqui um aperto de mão. O burro não comeu do capim, nem bebeu da água; estava já para outros capins e outras águas, em campos mais largos e eternos”.
    (…)
    O burro da crônica de Machado de Assis, após trabalhar, sem tréguas, sob sol ou chuva, frio ou calor, puxando os antigos bondes de tração animal, na cidade do Rio de Janeiro, encontrava-se, agora, “aposentado” com a chegada dos bondes elétricos, e ser abandonado pelo seu novo proprietário. Pensara ele que aqueles modernos bondes seriam a sua salvação. Aposentar-se-iam com dignidade, ele e os seus companheiros de labutas. Não seriam mais chicoteados, pastariam em verdes campos; afinal, trabalharam por longos anos puxando aqueles bondes. Puro engano. Não foram aposentados de imediato. Foram vendidos a outros donos, que os colocaram para puxar carroças, continuando a trabalharem sob sol ou chuva, frio ou calor, e recebendo as mesmas pancadas. Ali na Praça Quinze, abandonado e caído, foi onde o nosso cronista Machado de Assis o encontrou.

    No dia seguinte, voltando a fazer o mesmo trajeto, o cronista afirma que o pobre burro havia morrido. Partira à procura de outros capins e outras águas em campos mais largos e abertos. Também eu, ao voltar ao hospital, soube que aquele pobre aposentado do INSS havia falecido. Partira em busca de descanso para o seu corpo maltratado pelo excesso de trabalhos físicos. Trabalhos estes, que que tanto contribuíram para a grandeza do nosso país, mas sem o mínimo de reconhecimento por parte dos nossos governantes, políticos e pelos pelegos das centrais sindicais.

    Que os dois, o aposentado do INSS, e o burro da crônica de Machado de Assis, descansem em paz!

    • JADIR, boa noite!

      Obrigada, meu amigo.

      Breve publicarei sim – é muito boa para lembrar – e alertar os leitores para a realidade da vida. PARABÉNS!!!

      Abraço grande!

      Mirna

  12. Dra. Mirna, peço mil desculpa por ter escrito “tia e avó”, quando o certo é: “madrinha e tia avó, Beatriz Josefa”, como está escrito na legenda da sua foto de recordação dos seus 4 anos de idade.

    • Não te preocupes, amigo JADIR. Ficou o carinho. Este conta – e muito. Obrigada.

    • JADIR,

      publiquei tua matéria com prazer em

      http://www.direitossociaisnegados.blogspot.com.br/

      Aquele blog, como o título mesmo o diz, trata de direitos que nos são negados.

      Assim, convido-te a ‘visitar-me’ também lá.

      Espero que gostes do ‘nosso’ blog.

      Deus te conceda Suas bençãos e tua noite seja muito feliz e tranquila.

      Fraternalmente,

      Mirna,

      • Bom dia, Dra. Mirna.

        Obrigado por ter publicado a minha matéria no blog http://www.direitossociaisnegados.blogspot.com.br. A imagem, que ilustra o texto, ficou genial. Gostei sim, do “nosso blog”.

        Meus sinceros agradecimentos!

        Jadir de Araujo

  13. Olá! seu blog tem bastante conteúdo e deve ser lido com bastante calma. Espero que possamos trocar idéias e conteúdos um abraço…

  14. MIrna, que linda foto! Que caminho maravilhoso e difícil o que você escolheu trilhar. Te desejo muita saúde, paz, luz e sucesso. Beijos

    • Pois é, amiga… não é fácil, mas não me sentiria bem se não tivesse atendido a esse ‘chamado da alma e da razão’… É como uma ‘missão’: sendo ‘formiguinha’ vou arregimentando outras mais: Há muita gente boa neste mundo! (É claro que a maioria não o é… – infelizmente)

      Abç Grde!

  15. Fab site lots to keep you interested keep up the good work x

  16. Hoje definitivamente consegui escrever algo sobre o assunto.Criada pela madrinha tia avó,pelo papai ou mamãe,foste criada pela própria mãe natureza. Quem por diversas vezes abdicou de fama -fortuna-ou outras quinquilharias advindas do planeta, merece no minimo respeito. Eu vos respeito com toda sinceridade de min’alma… Sou pessimo no quesito concordância em português,mas vou tentando me aprimorar e poder dar o meu testemunho sobre suas verdades… Sou testemunha de sua preocupação com os menos favorecidos pela sorte. Tens enviado diversos artigos para proteger aposentados e pensionistas desse imenso país… você permite chamá-la de você pois sabemos de antemão que possui o titulo de doutora em advocacia, mas sempre procurou deixar claro que antes do titulo você foi Mirna.
    Esta Mirna que passamos a conhecer e admirar desdo os remotos tempos do (BRASIL WIKI) enfrentou contratempos,tentaram humilhá-la, foi destratada por alguns pelegos lulistas, mas continuou ainda mais forte! Então, minha cara doutora, só nos resta colocá-la no seu devido lugar. Para eu, Budista devoto do Sutra de Lotus, devo intitulá-la de Bodissativa da terra- que na verdade, equivale a um Anjo protegendo seus filhos ,na teoria cristã. Você, católica apostolica Romana,ou mesmo sendo somente Cristã: meu orgulho em conhecer todo seu trabalho voltado aos mais humildes. Mesmo on-line,você inspira confiança, transmite otimismo e bem estar por todos aqueles que vos cercam. Errei bastante -me alonguei em demasia, misturei as bolas, mas procurei ser sincero ao extremo.
    Saúde,Paz e Boa Sorte sempre. “Nois”- ou Roberto!

  17. […] me deram apoio. Agora, para alegria minha, postou um comentário sobre “Day by Day” (https://mirnacavalcanti.wordpress.com/2009/04/01/day-by-day/#comment-1964) e o posto aqui, pois poderá servir de apoio para os que quiserem saber QUEM […]

  18. Your relationship with your aunt is beautiful. And the photos are incredibly inspiring. Have a beautiful day 😉

    • Hello, MPax!

      Thank you so much. She was indeed a wonderful person in all aspects and has been inspiring me throughout my life…

      I do also wish you a wonderful Sunday and a week with plenty of health and happiness. CHEERS, new friend!

      Come and ‘visit’ me whenever you wish. Do you preffer tea or coffee??? 🙂

  19. […] da Mirninha, aos 4 anos de idade, junto à tia e avó, Beatriz Josefa, está linda! (v. https://mirnacavalcanti.wordpress.com/2009/04/01/day-by-day/#comment-1964)       Jadir […]


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: