Publicado por: mirnacavalcanti | 22 de julho de 2012

Manhã de Domingo


“Esforça-te por estabelecer a tranqüilidade em tuas áreas de ação, sem considerar sacrifícios pessoais que serão sempre pequenos, por maiores te pareçam, na hipótese de serem realmente o preço da paz de que necessitas.” (Chico Xavier)

 

“Aquele que tem fé jamais está só”

 

O  domingo amanhecera tranqüilo, ensolarado. Levantou-se, tomou o café e parte dos remédios do dia, preparou-se e foi à igreja. Ao entrar, persignou-se e sentou-se  em um dos bancos.  Suave música tocava ao fundo. Fechou os olhos e pôs-se a orar. Lágrimas teimosas escorriam-lhe pela face. Vivia tempos difíceis.  Não fosse a fé não teria como seguir vivendo.

Sempre acreditara em Deus e nos últimos anos – mesmo parecendo impossível – a fé que tinha – mais crescia. Deixou-se ficar. Enlevada, sentia a presença de seres celestiais à sua volta. As lágrimas seguiram vertendo; era um pranto manso, de dor, arrependimento por atos que não cometera e outros que, por ser humana, mas sem querer magoar quem quer que fosse, fizera. Caráter íntegro, coração bom, culpava-se por seus erros.

Após ter chorado todas as lágrimas, sua alma foi tomada por profunda paz. À sua volta, gente humilde – sua gente – também orava. As vozes juntas elevavam-se aos céus. Agradeciam, suplicavam, clamavam por piedade e, muitos, por milagres. Sentia-se a presença etérea do Deus Vivo. Todos seriam atendidos, pois o Criador é justiça e amor em Sua excelsa glória.

Ao sair à rua, poucos carros passavam. Crianças brincavam felizes na pracinha. Pessoas caminhavam sem pressa. Havia paz à sua volta e em sua alma.

Uma aragem suave tocou-lhe o rosto. O azul do céu estava com brancas nuvens  e pássaros chilreavam com alegria – abençoado Domingo! Louvado seja o Senhor!

Uma nova semana se iniciava e ela sentia-se forte e serena, na certeza de que cumpriria a missão que lhe houvera sido confiada antes mesmo de ter nascido.

Mirna Cavalcanti de Albuquerque

Rio de Janeiro, 22 de Julho de 2012

About these ads

Responses

  1. O Senhor é Deus dos vivos, não dos mortos – Deus Vivo – El Hay…e tudo é vivo, nada se perde, tudo está criado e tudo se transformará ao voltar a ser o que “era”…
    Boa semana e muita Paz! Shalom Al’akh!

    • Boa noite, EBRAEL!

      O que escreveste é verdade. Não morremos – somos eternos, pois ciclo após ciclo estamos em transformação. Parecemos ‘deixar de existir’ – mas o que ocorre é o ‘fechamento do círculo: princípio-fim-princípio: unicidade no Todo.

      בריאות, שלום והבנה!

      • Ath Kokhav, bath-shahhar, Hillelah KaYareach. Ath Yaphah kaLaylah. Neshiqoth ol’akh

      • Agora, amigo EBRAEL… por favor, traduz, pois tradutor algum que conheço soube dizer-me o que significa.

        Agradeço-te antecipadamente,

        Abraços,
        Mirna.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 5.188 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: