Publicado por: mirnacavalcanti | 21 de janeiro de 2012

A Maçonaria, a Verdade e a Águia Bicéfala de Lagash : “Deus meunque jus”


 As pessoas deviam ser o que parecem ou, pelo menos, não parecerem o que não são.” [W. Shakespeare]

 
ANTESCRIPTUM

 

 

 

Amigos leitores,

Uma vez mais, alevantam-se os que fogem da verdade e atacam os que a perquirem e a defendem.

Assim, vejo ser importante republicar esta matéria para os que ainda não a leram. Foi redigida e postada primeiramente em  08/03/2010, no JB – BrasilWiki. Modifiquei-lhe o título original (“A Águia Bicéfala de Lagash“)  com o objetivo de indicar mais claramente sobre o que se refere. (*)

 

 II - “Deus meunque jus”:

 A Maçonaria, a Verdade  e a Águia Bicéfala de Lagash 

Tendo constatado as reiteradas ‘investidas’’ contra a Maçonaria, por pessoas ignorantes em sentido lato, e outras que se julgam ‘entendidas’ nessa Grande Ordem, não me posso manter queda, pois sou contra mentiras e escamoteações da verdade.
 
A Maçonaria sabe muito bem defender-se e assim tem sido pelos séculos. Não pedi aos seus dirigentes ‘procuração  para atuar em sua defesa’, mas, tendo meu pai a ela pertencido e atingido ainda muito moço o grau máximo (33), e tendo atingido meu irmão há muito, o mesmo grau, sinto-me no dever de posicionar-me.
 
Jamais me furtei a ações ou decisões: sempre estou ao lado da Verdade e do que é digno e correto. Nada mais canhestro do que alguém faltar para com os Princípios Éticos em que foi educado.                                              

Se há “muitos caminhos que conduzem a Roma”- consoante o anexim-  há um só que permite a pessoas como eu dormir tranquilamente:  o Caminho da Luz . É este o meu Caminho. 
 
Mirna Cavalcanti de Albuquerque
 
 
 
 
 II –  Maçonaria: em defesa tão somente da verdade

 

A Verdade é só uma: o que efetivamente ocorreu ou ocorre”. A maioria  dos humanos faz questão dela afastar-se, pois não lhes é conveniente. Para muitos não adianta tentar explicar o que sua inteligência e alma ou não têm condições  de alcançar, ou  por simplesmente  não querer compreender .

 

Após ler o interessante artigo indicado por MARAT,  sobre sites a respeito da instigante maçonaria, assisti aos vídeos e li um artigo escrito pelo mesmo autor de “A Águia Bicéfala de Lagash”. Ao contrário dos que aparecem nos vídeos, é maçom e sabe o assunto sobre o qual discorre. Não me coloco em posição de crítica, pois não me cabe. Todavia, não só posso, como devo, a bem da verdade, expressar minha opinião, pois este é ainda um direto de todos, garantido pela Constituição.

Constatei que grande parte, senão a maioria das matérias,  externava claramente posição contrária à Grande Ordem e a colocava como (sic) invocadora do demônio.

As contradições são muitas. Cito, como exemplo, o fato de que o “Caminho da Luz” dizem ser o de Lúcifer, tratado por alguns como sendo o príncipe das trevas.

Quanto engano! Por via de conseqüência, a Lógica indica que as “trevas” não podem levar ao oposto: o Caminho da Luz é o que nos leva para Deus, para nosso Criador, que criou a Luz. É o Caminho que sigo.

Pontifico, para evitar discussões infrutíferas, que não entrarei em aspectos bíblicos, e/ou, religiosos. Atenho-me tão-somente à razão e aos fatos e exponho o que penso.

 “Ninguém pode servir a dois senhores ao mesmo tempo”, diz o brocardo. E, para mim, há um só Senhor.

Observei, entre tantos outros aspectos que me parecem inconsistentes e inverossímeis os seguintes:

1 – A maioria dos apresentadores inicia sua fala: “não sou maçom”;

2 – Alguns acusam a maçonaria de adorarem ao demônio e praticarem ritos satânicos, bruxaria, e atos outros a esses análogos;

3 – O dístico: “Deus meunque jus”, que significa simplesmente: “Deus é o meu direito” (ou “minha justiça”), os críticos filmados dão uma interpretação totalmente diversa da realidade. A exegese por eles usada, nada tem a ver com seu significado latino e muito menos com o objetivo que a Ordem o usa;

4 – Afirmar que satã é invocado nas reuniões maçônicas, bate frontalmente com o que ocorre. A invocação, se feita, só pode ser em nome do Supremo Arquiteto do Universo. Este é Deus, o Construtor, o Criador, enquanto que Lúcifer está no epicentro das destruições todas, sejam físicas, morais, ou espirituais;

5 – Referentemente à madame Blavatski, à sua época, era defeso (proibido) às mulheres, entrar para a Maçonaria. Ademais, nunca li coisa alguma, apesar de ter lido muito do que escreveu, nada que a ligasse à Grande Ordem. Todavia, não sendo eu ‘senhora da verdade’, posso estar enganada;

6 – Uma instituição que participou ativamente de todos os movimentos em benefício da liberdade dos povos e mesmo, das liberdades individuais dos seres; que desde seu princípio, não distingue seus membros por “diferenciais” quaisquer que sejam: de raça, dinheiro, instrução, classe social, etc… portando, a primeira na História da Humanidade a reconhecer o Princípio da Isonomia (Igualdade), inserto após a Revolução Francesa em todas as Leis Maiores dos países democráticos, ser acusada por muitos, de cometer atos infamantes, é no mínimo, grande desrespeito e ignorância por parte de quem o faz;

Por outro lado, é claro como a luz solar: em todas as épocas da História, têm existido criaturas de caráter íntegro e as que não o são. Ocorre o mesmo com as instituições formadas por humanos. Os que não têm reputação ilibada e caráter íntegro, não são aceitos pela Ordem sob comento. Se, todavia, após entrarem na mesma, vierem a cometer atos que não se coadunam com os Princípios todos – e SE descobertos e SE denunciados, são expulsos;

7 – Os símbolos Maçônicos, a maioria dos apresentadores e mesmo escritores, interpretam erroneamente, distorcendo maliciosamente o que significam: seja por desconhecimento, seja para tentar infrutiferamente, destruir a credibilidade da Ordem, construída paulatinamente no transcorrer dos séculos, em prol da humanidade.

Leiam, no artigo seguinte: “A Águia Bicéfala de Lagash” e saberão o que ela realmente simboliza.

Mirna Cavalcanti de Albuquerque
 
 

III –  A Águia Bicéfala de Lagash           águia bicéfala

 

A Águia Bicéfala maçônica é a jóia do maçom pertencente ao 33.º Grau, que a usa no colar; sobre as duas cabeças, uma coroa de ouro; as garras sustentam uma espada e dela pende uma faixa onde está a inscrição: “Deus Meumque Jus – Ordo ab chao”.

A águia Bicéfala é uma variação da poderosa imagem descrita em documentos achados cerca de 3000 A.C.

A Arte Real (Maçonaria) é uma Ordem antiga que promulga seu sistema de moral através de alegorias, sinais e símbolos. Alguns símbolos adquiriram tal vigor que até o não iniciado sabe que os mesmos  se referem  à maçonaria. O esquadro e o compasso são exemplos. Pessoas com um pouco de cultura os reconhecem como símbolo da maçonaria. Não sabem e só o iniciado sabe que pela disposição dos mesmos existe um significado intrínseco.

A águia bicéfala esta em um outro patamar, onde somente os mais atentos percebem quando ela pode ser considerada como símbolo maçônico. Muito se tem escrito sobre ela, porém quando são feitas específicas perguntas, as respostas são curtas e não precisas.
Atualmente estamos em melhor situação porque temos uma mudança na pesquisa maçônica, gerada pelo crescimento das comunicações com acesso a fontes e facilidade na troca de informações.

No Freemasons’ Guide and Compendium, e Bernard E. Jones edição revisada de 1956 e reimpressão de 1970 às páginas 324/325 têm o seguinte texto,  qual é similar ao de inúmeras enciclopédias, que diz:   “W.J.Chetwode Crawley lembra-nos que nas fundaçõe de um templo construído cerca de 3000 AC. – isto é, cerca de 2000 anos antes da construção do Templo de Salomão – foram encontradas duas placas de Terracota contendo inscrições,  as quais detalhavam como a construção havia sido ordenada e iniciada. Estas placas foram ali depositadas quando do lançamento da pedra fundamental do templo por Gudea,  governador de Lagash na Babilônia. As inscrições dos cilindros impressas em placa de Terracota incluíam um esboço de um” pássaro da tormenta “, o qual era representado por uma águia com duas cabeças, hoje usada como símbolo do Rito Escocês Antigo e Aceito.
Encontrado perto do sítio onde estava o templo em referência foi também encontrada uma fina estátua de Gudea …”

 

As enciclopédias maçônicas de Coil e Mackey apresentam um texto semelhante e provavelmente foram usados como fonte por Bernard Jones. A cidade de Lagash está situada ao sudoeste da Babilônia, entre os rios Tigre e Eufrates perto da moderna cidade de Shatra no Iraque. Ela era um antigo centro de artes, da literatura e militar, com imensa força política. Dos sumerianos este símbolo passou para o povo de Akkad. Posteriormente foi usado por muitas tribos e grupos de nações. Sabe-se que Marius, Cônsul Romano, em 102 AC. por decreto indicou a águia bicéfala como símbolo da Roma Imperial. O Dr. Albert Merz, 33º, afirma em artigo publicado no NEW AGE (Scottish Rite Journal) de março de 1959 que O Sagrado Império Romano em 1414 AC. tinha a águia bicéfala em seus selos que simbolizava a unidade e universalidade do Império.

Nos compêndios de heráldica encontramos a águia bicéfala e acreditamos que como resultado da presença dos cruzados no Oriente, trazida como símbolo para os Imperadores do Oriente e do Ocidente, cujos sucessores foram, nos últimos tempos, os Habsburgos e os Romanovs, em cujas moedas ela aparece sistematicamente, sendo copiado pela maioria das “Cidades Livres da Europa”, principalmente as da Alemanha, e como emblema no Império Oriental da união de Bizâncio, com Constantino.

Podemos encontrá-la em alto relevo na porta principal da Igreja Ortodoxa Oriental na cidade de São Paulo.
É provável que a águia bicéfala tenha sido usada como símbolo maçônico desde o 12º século. Já as evidências disponíveis indicam ter sido ela usada pela maçonaria em 1758, após a criação do Conselho de Imperadores do Oriente e do Ocidente em Paris. Era parte do Rito de Perfeição, do antigo Rito dos vinte e cinco graus, evoluindo em grande parte para o Sistema Escocês. Não existe duvida relativa ao uso da águia bicéfala pelo Supremo Conselho, 33º, Jurisdição Sul dos USA desde 1801.

Os sucessores do Conselho de Imperadores do Ocidente e Oriente, são os vários Supremos Conselhos do Grau 33º espalhados pelo mundo, que herdaram a insígnia do emblema pessoal de Frederico, o Grande, considerado como o primeiro Soberano Grande Comendador do Rito Escocês Antigo e Aceito, conferindo ao Rito o direito de usá-la em 1786. (Sic.) simultaneamente adotou (acrescentou) mais sete graus (Aceitos) aos vinte e cinco conhecidos (Antigos), chegando-se então a trinta e dois graus Antigos e Aceitos. A esses graus foi acrescentado o Grau governativo do Rito de número trinta e três.
Observa-se que os Supremos Conselhos que tinham laços com a Grande Loja da Inglaterra têm em seus selos a águia com as asas para cima, conquanto os supremos conselhos que tinham laços com a Grande Loja da França, têm em seus selos a águia com as asas voltadas para baixo. Existe este padrão, seja ele intencional ou não.

O fato de a águia estar representada com as asas abertas para cima ou para baixo é uma questão diretamente relacionada ao desenho do selo por um Supremo Conselho em particular, como resultante do gosto artístico de cada povo, preferindo uns o estilo clássico copiando a natureza, enquanto outros dão preferência à representação marcial.
 

A Águia Bicéfala de Lagash é o mais antigo emblema do mundo e nenhuma outra figura pode gabar-se desta antigüidade.

Como símbolo do Rito escocês Antigo e Aceito a Águia Bicéfala de Lagash tem suas asas abertas e coroada (encimada) pela coroa da Prússia.
Suas garras estão pousadas em uma espada desembainhada que tem uma fita como ornamento serpenteando-a desde seu punho até a extremidade da lamina contendo a divisa:
 DEUS MEUMQUE JUS ” – (DEUS E O MEU DIREITO)

CONCLUSÃO: Uma característica marcante da maçonaria é o uso de símbolos da humanidade para ilustrar e transmitir seus ensinamentos. O uso da águia demonstra a habilidade de seus condutores quanto ao manejo da Arte do uso de símbolos para mostrar o caminho justo e reto ao seu obreiro.

Pesquisa:

Ir.: Jaime Balbino de Oliveira

http://www.cavaleirosdaluz18.com.br/trabalhos/A%20%C3%81guia%20Bic%C3%A9fala%20de%20Lagash.pdf

(*) http://www.brasilwiki.com.br/noticia.php?id_noticia=21506

 

Nota Complementar:

Indico-lhes os artigos nos sites infra transcritos:

“O que é a Maçonaria?” http://www.brasilwiki.com.br/noticia.php?id_noticia=19434

“Maçons mais famosos do mundo” http://www.brasilwiki.com.br/noticia.php?id_noticia=19472

“Maçonaria: uma universidade de crescimento permanente”

http://www.brasilwiki.com.br/noticia.php?id_noticia=22025

About these ads

Responses

  1. Uma pessoa sábia jamais emite opiniões ou julgamentos daquilo que desconhece. E os mistérios da Arte Real interessa apenas aos iniciados e que eles praticam.

    TFA.´.Madeiro

    • BOM DIA QUERIDOS AMIGOS!

      EU LHES RESPONDEREI A TODOS, AMANHÃ.

      ESTOU PREPARANDO UM ARTIGO PARA TANTO.

      AGRADEÇO-LHES OS COMENTÁRIOS E DESEJO-LHES ILUMINADO DOMINGO!

      ABRAÇOS PARA CADA UM DE VCS!
      MIRNA C.

    • BOA tarde, Sr. MADEIRO,

      Se é a mim que se refere: jamais julguei-me ‘sábia’ … ao contrário: sou uma ‘aluna da vida’ … E, o motivo da publicação deste artigo está bem explicado no início do mesmo…

      Se lhe desagradou, lamento, mas estou usando meu direito de livre expressão, o qual, não importa quem VS realmente seja, não tem como desconsiderar.

      Convido-lhe, no entanto, a compartilhar seu conhecimento aqui neste meu blog, para esclarecer o q julgar necessário.

      Será recebido com respeito e consideração.

      Sem mais para o momento,

      subscrevo-me atenciosamente,
      Mirna Cavalcanti de Albuquerque Pinto da Cunha

      PS – Desculpe-me a demora da resposta…

  2. A nota de dolar americano, contém um dos símbolos da maçonaria?

  3. nada a temer sobre esta ordem que muito tem nos honrados com os seus, dons que vem de DEUS o g.a.d.u, e para mim a maior instituição universal onde prega amor paz liberdade e igualdade entre os seres humanos, valeu minha querida amiga e que o grande arquiteto do uno verso , possa te dar muitas felicidades , eu não pertenço a nenhuma loja mais me considero maçom ,pois aprendi muitas coisas na minha vida com a maçonaria ,e sempre as coloquei em pratica, grato por sua narração…

    • Caro JOSÉ ROMMEL FARIA, bom dia”

      Saúde, Luz e Paz!

      É uma alegria para mim, quando recebo comentários de matérias que posto. Esta alegria é maior ainda, quando esses comentários são a respeito de matérias postadas há mais tempo, pois significa que, mesmo tendo um blog sem maiores pretensões, são ainda lidas – e comentadas…

      A fé que tenho no Grande Arquiteto é incomensurável e tem-me sustentado nas batalhas da vida. Não compreendo a vida sem fé… Não sou carola, nem de frequentar igrejas todos os dias, confessar, etc. Mas o faço – e isso em qualquer templo de qualquer religião, pois DEUS está em todas elas e, principalmente ilumina e orienta meu espírito e guia meus agires…

      A FELICIDADE, meu amigo, encontra-se em nós mesmos e, a partir desse ‘concêntrico estar’, devemos projetá-la sempre que possível, para nossos irmãos – principalmente sobre os que mais necessitam…

      Que sejas iluminado em teu Caminho e abençoado por Nosso Pai!

      Fraternal abraço,
      Mirna.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 5.197 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: